Amigos

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

A DAMA DE COPAS E O VALETE DE OUROS

A   Dama de   Copas,  na flor da idade,
arrumou-se e saiu
vestida de esperança.
O  Valete de Ouros, na flor da idade,
encheu-se de  sonhos e
partiu em busca do futuro.
Cruzando-se os destinos se encontraram,
Ela de Copas,  Ele de Ouros,
Coração e Tesouro, Tesouro e Coração...
Chá e Simpatia..."tea for two and two for tea"
Sonho e Filosofia...
"Um Príncipe " pensava ela.
E ele o que pensava?
Quem sabe o futuro...diriam as cartas coadjuvantes.
Trocaram  anseios...cogitaram dúvidas.
Como Colombina e Arlequim pisaram em
nuvens , em delicioso affaire...
Construíram mundos paralelos,
forjando teorias quânticas
e bordaram purpurinas e  em trajetórias
de destinos...rumaram por caminhos paralelos.
Tesouro e Coração  num baralho de cartas.
E  como tudo que se passa, a Roda do Tempo
coloca nos eixos aquilo que é ou o que vier a ser.
A  Dama  de Copas construiu sua história, 
iniciou-se nas escolas de mistério e
veio a ser  Sacerdotisa numa  Carta de Tarô,
onde o Valete de Ouros transformou-se em Imperador.
Personagens impecáveis,  deixaram seus naipes 
pelo rigor da forma...
Deixaram seus sonhos vagando em estrelas
na nebulosa dos Enamorados.
O Sol e a Lua seguiram-se em enigmas
na Roda do Destino...
E na  Estrada da Vida seguem os seus cursos,
O  Louco com sua Poesia
e o Hierophonte , em frente, perseguindo 
a Sabedoria...

Guaraciaba Perides

Para ilustrar  a  Dama de Copas e o Valete de Ouros 
de "TEA FOR  TWO" em adorável  representação


Um affaire romântico  das Cartas do Baralho  nas leituras dos destinos  que lembram sonhos de juventude...

A  DAMA   DE  COPAS

 
O  VALETE   DE   OUROS

(imagens da internet)

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

M A T I N É E

Saía do cinema
transfigurada em êxtase.
Era  ela a bailarina
que  rodopiava em tules
e rosa nos cabelos...
Leve como a mais leve pluma
flutuava dentro de um filme
em technicolor!
Seu coração de menina
embalava sonhos de
um dia ser aquela que vivia
o amor edulcorado que
falava inglês.
E o galã de olhos que brilhavam azuis,
sorriso de dentes faíscantes,
cantava uma canção de amor e
entre duas palavras,
valsava com a menina em
transe de mundos paralelos...
Seus cabelos dourados
à luz da lua refletiam
rosas brancas pelos jardins
do grande salão,
do  grande baile,
onde maravilhosos sons
embalavam valsas e
valsas de Strauss...
Em rosas e azuis e tons pastéis
criava-se o romance que embalava
os sonhos delicados das moças
daquela geração.
Que mundo maravilhoso movido
pelo doce encanto da descoberta
do amor!
Todos lindos, todos jovens,
todos plenos de ideais!
Embalados pelo encanto
da miragem colorida,
saíam de corações leves e esperançosos
para sonhar co aquele mundo irreal
que se projetara na tela..
De mãos dadas,flor na gola da
blusa engomada, saia rodada, saltinho cinco,
anel no dedo,
e o pensamento livre como um pássaro em voo...
seria assim o Mundo do outro lado da Terra?
Ou apenas , que sabe,  um sonho bem vivido,
dentro de uma bola de sabão?
A estranheza ficava por conta do Leão que
rugia ameaçador  no  início do filme e que
em nossa ingenuidade só nos causava risos.
Apenas um detalhe...
Com o passar do tempo os filmes como nós ,
também envelheceram,
e  na medida do Tempo que tudo constrói e
destrói,
o  arrogante e valente leão foi ficando
velho e caricato
e seus rugidos foram ficando roucos
e se perderam na Roda que gira sem parar
e constrói novas histórias...

Guaraciaba Perides

Um delicioso trecho do filme  sobre a vida de  Strauss   "A grande Valsa'


O famoso  leão da Metro...de  saudosa memória.





quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

A CHEGADA DO MENINO


NATAL

A menina sorri,o menino espera
Há luzes coloridas no jardim!
Espera-se Noel, quem sabe
do mistério que há na  noite de Natal...
A lua lá no céu brilha tão bela
que de modo especial se faz presente
E a Estrela que antecipa a glória...
Aleluia, os sinos tocam e
tocam  o coração  da gente,


CHEGA    O   MENINO...

Chega o menino
Começa a Festa
da descoberta do mundo...
Aos olhos do menino,
na presença do menino,
desdobra-se
como refletida num espelho
a nossa própria infância...
É o Mestre Menino que nos
ensina a olhar o novo
E a sua Graça é o nosso riso
Sua inocência nos faz lembrar
o nosso espanto compartilhado,
desse momento da descoberta
dos sons da Vida...
É tudo novo
mesmo que antigo
e acorda em nós,
nosso  Menino adormecido...


OS   REIS

Os Magos do Oriente seguem a Estrela
Lá no sertão do Oeste brasileiro...
Vestidos de  Reis em  almas camponesas
Vão cantado nas violas suas preces...
Nos caminhos que levantam o pó da estrada
vão seguindo o rumo desta luz que a fé garante,
Vai a Bandeira do Divino desfraldada...
Na Folia desses Reis  lembranças de outros reis
perdidos na memória
a história de um menino que nasceu
e como um Deus na Terra se fez Glória!

Guaraciaba Perides

presépio em art-naif



Canto Catalão de  Natal


Resgatando as nossas alegrias primeiras façamos do Natal um sincero renascimento em nossos corações..de esperança , amor e paz.

domingo, 11 de dezembro de 2016

TODOS OS CAMINHOS


Levam-nos por todos os atalhos,
por todas as curvas, por todas as
pontes.
Subimos montanhas, cruzamos os mares,
atravessamos nuvens.
Somos todos em todos os caminhos em
que andamos, corremos, singramos, voamos...
O que buscamos?
Por que estamos sempre atentos para que não se percam 
os caminhos de nossos sonhos e nossos ideais?
Se não importa o que vemos e o que pensamos e
todos os caminhos acabam se cruzando nas filas dos
destinos?
Nos caminhos de aprender;
andar, falar, sorrir, brincar...
Nos caminhos de crescer;
sonhar, explicitar o sonho,
instrumentar o solo no plantio das sementes....
Nos caminhos do colher:
Labor e som
Sabor e  tom
De vida e Graça...
Nos caminhos de arquivar:
A luz da Aurora e do  Luar,
não  retirar do pensamento
a vida que se quis e se sonhou...
E elaborar na Síntese final
o pensamento oculto  que
finalmente se revela 
na alma  absoluta 
e que persiste na Moral da História.

Guaraciaba  Perides


O poema  de Manuel Bandeira   "Testamento"  musicado e cantado por Olivia Hime




Fazer da Vida uma grande canção e se possível uma Canção de Amor

domingo, 27 de novembro de 2016

THE WILD GEESE (POEMA DE VIOLET JACOB)* OS GANSOS SELVAGENS

Os gansos selvagens

" Oh! diga-me quem estava no seu caminho,você vibrante vento Norte?
Você  que vem soprando da terra que nunca sai do meu pensamento.
Meus pés viajam pela Inglaterra mas eu estou ansiando pelo Norte"
"Meu amigo,eu vi as prateadas marés   subindo para o estuário do rio"

"Oh vento, eu as conheço bem  no seu vai e vem
e ansioso eu percebo  a arrepiante névoa naquela praia que lá está
mas conte para mim  quando passa por elas,  o que você  vê no  caminho?"
"Meu amigo, eu vi  as gaivotas   voando sobre o Tay"

" mas, você nada viu, enganoso vento, antes de vir para cá?
pois há muitas  coisas para se ver   através do Tay que é muito mais para mim que vida"

"Meu amigo, eu varri as colinas do Angus que  há muito anos você não pisa"
"Oh vento,perdoe um  rapaz  desterrado, que não pode  ouvi-lo sem chorar"

" E acima dos vales do Angus eu vi os gansos selvagens voarem
Um enorme bando batendo  suas asas e  suas cabeças voltadas em direção ao mar
e o som de suas vozes  ficavam ecoando atrás delas pelo ar"
"Oh vento, tenha piedade, cale-se pois eu não consigo mais escutar"
*
tradução  adaptada de um poema escrito por Violet Jacob The  Wild Geese (Norland Wind)
musicado por Jim Reid
O poema original foi escrito  em dialeto da Escócia.

 a beleza do seu sentido nos mostra o coração de um homem saudoso de sua terra
pedindo notícias   ao vento que sopra sobre ela. O original é belíssimo e a tradução dá uma pálida
idéia. Guaraciaba Perides


 A canção baseada  no poema  cantada  por Jim  Reid


sexta-feira, 18 de novembro de 2016

O Bordado

Faiscante sol, resplandecente azul  do céu
que reflete no mar  faíscas de cristal.
As paredes caiadas  no mais puro branco
fazem pender do alto nuvens de algodão.
Sentada á porta , azul como a cor do céu
que a emoldura,
a senhora faz do seu bordado o seu destino.
Um plácido gato  descansa aos seus pés
semi cerrados olhos para o brilho  da luz
da manhã radiosa.
A senhora pensa no seu tempo de existir,
do então e o de agora.
Silenciosa recapitula os sonhos que viveu...
Absorta olha uma fila de carneiros pastoreada
por um rapazinho que a cumprimenta e
segue com seu pequeno gado monte acima.
Quantos anos  ela ali sentada à espera de
um milagre?
Na esperançosa expectativa de uma mensagem,
um pequeno sinal de vida que lá fora explicita
outros sonhos...
Seus filhos foram para outras terras em busca de...
e em navios partiram para outros mundos...
De longe, muito longe, chegam rostos sorridentes
em retratos coloridos de uma família  estendida em
novas gerações;
cartas repletas de afetos, que alegram os seus dias,
seus meses , seus anos...
Promessas de para o ano vindouro virem todos
para sentir o ar puro das montanhas, do mel
fecundo da paz, do leite morno das cabras,
da carne saborosa que só ali  podem encontrar...
do cheiro apetitoso do pão assado no fogão de lenha
seca e de gravetos.
Olha que lá embaixo o mar etá fazendo graças
com suas marolas de espumas.
Ao lado de sua  casinha  caiada de branco e de
sua porta azul, vasos floridos especulam o tempo
com suas flores vermelhas.
Não tão longe, a capela faz vibrar os sons cristalinos
de um sino,
marcando as horas de espera, do sonho de viver
um sonho lindo...
A toalha que ela borda é para a grande ceia que
festejará a volta dos seus.
Aí, então, a felicidade vestirá o azul do céu
no brilhos das estrelas,
o vinho correrá  à farta e a dança brindará
o fim da espera,
e o seu longo bordado estará completo.

Guaraciaba Perides





quarta-feira, 9 de novembro de 2016

À LUZ DO DIA

Passando pela rua do Arco Íris,
esquina da  avenida do Desejos
olhou para o céu e viu
uma  estrela à luz do  dia...
A lua nem aí e a luz da estrela cintilava!

_Quem sabe é um sinal! ela pensou, e de repente
a alegria tomou conta do seu ser.
Bonita era e mais bonita se tornou,
pelo simples palpitar de uma esperança...
A vida em rosa...quem sabe azul do céu!

Assim ,quase como quem flutua,
percorreu todos jardins,
todos os caminhos do sonhos
que sonhara.
Afinal, nenhuma estrela brilha á luz do dia
na  rua do Arco Íris, esquina da
Avenida dos desejos...
E o Arco-íris só aparece
ao fim da tempestade...

Atravessando a Ponte  dos Amores Perfeitos,
sentiu seu coração bater mais forte
Outro sinal  o céu lha enviara...
Na fonte se avistava  o jorrar da água pura
fluindo em liquidez e transparência
outrora vista.

Um passo atrás do outro,
sem pressa como convém
aos que ainda têm fé;
olhou por todos os lados do relógio
de sol que se estendia em flores pela praça,
sentou-se e silenciosamente chorou...

Depois, cessadas as lágrimas
olhou para o céu e  viu
a estrela que ainda brilhava à luz do dia
na ponta do Arco Íris.
Então sorriu...

 Guaraciaba  Perides.